segunda-feira, 8 agosto, 2022

Intercambio Nigéria - Chapada Diamantina

Festival Adún

ConteúdoCulturaFestival Adún

Festival Adún

Intercambio Nigéria - Chapada Diamantina

Desde o dia 28 de dezembro até o dia 9 de janeiro o Vale do Capão será sede de um encontro com shows e oficinas que tem como objetivo promover o intercâmbio cultural entre Nigéria e a Chapada Diamantina. A novidade do Festival Adún é a presença do Artista Nigeriano Ìdòwú Akínrúlí, percussionista e especialista na realização de ações culturais de promoção das artes e cultura Yorùbá, sua matriz étnica, no Brasil. Trabalha com artistas da Nigéria e África em geral com foco na tradição e expressões contemporâneas da música e dança. 

Em 2018, promoveu o Intercâmbio Cultural entre Nigéria e Brasil, fazendo parte da comissão organizadora da visita do rei Ọọni Ọba Adéyẹyẹ̀ Ẹnitàn Ogúnwusì, maior autoridade do povo Yorùbá, à Salvador, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Atualmente, é coordenador da empresa ÌLÚ AKIN Produções, dirige o projeto Ontologias Outras, Grupo ÌBEJÌ, Ọ̀ṣẹ́ẹ̀túrá Africa’njazz e FELA DAY POA (Evento em tributo a Fela Kuti).A frente da Ìlú Akin Produções, e enquanto produtor cultural, Ìdówú Akínrúlí, através desse setor cultural e artístico, atua na continuidade ao fomento, promoção e produção de eventos e manifestações artísticas voltadas para a disseminação e conhecimento da cultura yorùbá no Brasil e na Diáspora. 

Através de seu engajamento e compromisso com seu povo e cultura, pode proporcionar momentos históricos de intercâmbio cultural e diplomático entre Brasil e Nigéria, bem como momentos marcantes, profundos e profícuos, de inestimado valor material e imaterial para a população brasileira.

A programação de oficinas com Ìdòwú Akínrúlí  começa a partir do dia 28  de dezembro e aborda temáticas específicas  da cultura yoruba como a história, a transmissão de saberes populares através da oralidade e do canto africano,  limpeza para o ano novo – reza, cantos e banhos de ewé (folhas), ensino de ritmos e danças tradicionais do povo yorubá e termina o dia 7 de janeiro con afrobeat, combinação de música iorubá, jazz, highlife, funk e ritmos, fundido com percussão africana e estilos vocais, popularizado na África na década de 1970 pelo seu criador,o artista nigeriano  Fela Kuti. As oficinas serão ministradas  em diferentes dias e horários em distintos espaços do Vale do Capão como o Restaurante Matagal e o Sítio Enarmonia. 

Além das oficinas, o festival propõe uma série de shows musicais ao vivo com artistas  e bandas locais do Vale do Capão que compartilharam o palco com o  artista convidado Ìdòwú Akínrúlí na Pousada do Capão nos dias 2, 5, 8 e 9 de Janeiro.

BANDO PASSARIM

Integrado por Tiago Gusmão, Kika Brandão, Valentina Maria, Carolina Endi e Patrícia Ferraz, nasceu em 2009 no Vale do Capão, Chapada Diamantina, Bahia. É um coletivo de músicos e educadores musicais, intérpretes e criadores que se uniram em torno da pesquisa, apreciação e experimentação da música tradicional brasileira. Desenvolvendo um trabalho de composição de canções e temas instrumentais a partir desta experiência.

A canções do grupo têm os pássaros e seus encantamentos, a mito-poética da música cabocla e ribeirinha como fontes de inesgotável inspiração. Passarinhos da Chapada Diamantina e de diferentes regiões do Brasil são cantados em variados gêneros musicais como o toré e rojão de roça, coco, cacuriá, bumba-meu-boi, samba, ciranda de roda, maracatu, ijexá, xote, baião, entre outros da música tradicional brasileira.

DIGITAL MANDINGA

DJ que trás consigo remixes, edits e produções próprias nas vertentes do Ijexá, maracatu, coco, MPB, entre outros estilos da música de nossa terra, semper na busca de proporcionar uma experiência musical 100% brasileira com um toque de modernidade através do techno, downtempo e outros ritmos que levam muito grave e tambor.

PASSARO CELESTE

Projeto musical que abrange vários gêneros, que têm como fio condutor o afro-americano (blues, reggae, soul, funk, samba), o africano (referências ao blues do deserto do Mali e os tuareg) e a world music de raiz, no geral, junto com a música psicodélica dos anos ’60 e ’70, o rock progressivo e muito mais. Este projeto foi fundado pelo cantor e violonista Giuliano Ingrosso, em 2016, com a realização do álbum homônimo, em solo. No final de 2020, Pablo Molina no baixo e Leonardo Frodo na bateria se juntam ao projeto, participando da edição Ressonar 2021 e ganhando, no mesmo ano, o primeiro prêmio, Rootstock Artist Awards 2021, festival de música da França. Logo em seguida, Chapa Morata se junta à banda, nos teclados, para completar a formação que se apresentará no dia 5 de janeiro.

AMANI KUSH

Músico brasileiro, cantor e compositor que utiliza a música como ferramenta de libertação e expansão da consciência, manifestando em suas músicas o empoderamento dos povos africanos diásporos através do conhecimento de suas raízes.

TRIBUTO A FELA KUTI (The Black Presidente) 

Um show com músicas dançantes que carrega a força da ancestralidade, possui cenários que reproduzem os originais do movimento afrobeat e as histórias das músicas que Fela Kuti, o criador do AFROBEAT, criou para promover a cultura de seu povo e denunciar os processos de colonização e política repressiva na Nigéria. O show é regido por Ìdòwú Akínrúlí, que vivenciou o ritmo do Afrobeat com a família de Fela Kuti e conta com a participação de musicistas do Vale do Capão para sua realização, trazendo a linguagem mais fiel do Afrobeat.

CAETE RAÍZ

“Raiz de folha verdadeira”  Caeté é uma palavra indígena tupi, “Monte Verdadero” (Ka’ateté). Nascida em 2018 entre os vales do Parque Nacional da Chapada Diamantina, Brasil.  Caeté Raiz funde afro-latino, afro-beat, reggae, ska e seus espíritos circenses, criando uma poderosa presença visual e musical.  Composto por músicos viajantes de quatro países diferentes, que se viram compartilhando uma vida simples, saudável e criativa.  É o fruto recente de uma árvore antiga, com a intenção de paz e cura da alma e do mundo. Desde a sua criação, a banda se apresentou no cenário musical local, regional e, recentemente, nacional do Brasil, sendo rapidamente acolhida pelo público com surpreendente efervescência, o que os incentivou a enfrentar sua primeira turnê latino-americana.

Integrantes:

Pablo Molina, (Chile), Guitarra, Bateria e composição

Javier Molina, (Chile), Trombone

Luciano Alonso, (Argentina), Baixo, composição e arranjos

Leonardo Frodo, (Brasil), Voz, Guitarra, Bateria e composição

Isabel Cardona, (Colombia), Voz, percussão e composição

Paula Aldunate, (Chile), Sax Alto

close
Gabriela Witencamps
Gabriela Witencamps
Atriz, professora de teatro e argentina formada pela Escola de Teatro de La Plata, Buenos Aires, onde é assistente na área de Metodologia da Investigação em artes na carreira de Licenciatura em Teatro. Atualmente trabalha como produtora e coordenadora em El Vodevil, programa de rádio de Artes Cênicas na Rádio de La Universidade Nacional de La Plata e também é integrante da equipe editorial de “El Anzuelo, Educación e Investigación en Artes Escénicas”; Jornal digital editado pela Universidade Nacional de La Plata. Moradora do Vale do Capão onde desenvolve seu projeto de pesquisa sobre as danças afro brasileiras através do estudo da Técnica Silvestre.
- anúncio patrocinado -
- anúncio patrocinado -
Morro Branco_banner
Um lugar para estar...
Morro Branco_banner
Um lugar para amar...
Morro Branco_banner
Um lugar para acreditar...

Relacionado

Coletivo Artemísia 8M

A voz do Coletivo Artemísia 8M recolheu “as vozes mudas caladas, engasgadas nas gargantas” como bem fala Conceição Evaristo¹ e surgiu no dia 8 de Março de 2022 no Vale do Capão...

Festival Gastronômico do Capão realiza ciclo de qualificação para os restaurantes participantes

O Vale dos Sabores - Festival Gastronômico do Capão só acontece de 26 a 31 de julho, mas as atividades voltadas para os restaurantes participantes já começaram! Após a consultoria da Chef Rosa Gonçalves para a criação dos pratos do evento, chegou a vez das oficinas de qualificação.

Espetáculo premiado “O Salto” se apresenta em Mucugê e Souto Soares

A aramista, performer e atriz Ninha Almeida, mal chegou no Vale do Capão, trazendo na mala o troféu de atriz revelação 28o Braskem de Teatro e já se prepara para colocar o pé na estrada novamente. Ela apresenta nos dias 03 e 04 de junho em Mucugê e nos dias 10 e 11 em Souto Soares, ambas cidades da Chapada Diamantina.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seu comentário:
Nome

Atenção! Comentários ofensivos, palavras de baixo calão ou que ofendam a conduta, moral e ética profissional serão excluídos. Agradecemos a compreensão.
- anúncio patrocinado -
Bistrô na Pousada do Capão
Anuncie nas nossas redes sociais
Cozinha Criativa
Restaurante Candeia

Veja Também

- anúncio patrocinado -

No Vale do Capão

- anúncio patrocinado -
- anúncio patrocinado -

- em destaque -