terça-feira, 4 agosto, 2020
12.8 C
Caeté-Açu
TURISTAS E VISITANTES:
Conheça as medidas adotadas no combate à pandemia em nossa região
#FIQUE EM CASA
Slider

Siga nossas redes

O Vale do Capão

Uma Vila de Magia

O Vale do Capão — que tem nome oficial de Caeté Açu — é quase mítico entre os viajantes mais descolados e alternativos na Chapada Diamantina.

O pequeno vilarejo, incrustado em meio à exuberante natureza da Chapada Diamantina e com ares esotéricos, atrai os turistas que desejam contato direto com as belezas da região.

O lugar é pequeno e formado basicamente por uma rua principal e uma praça, onde estão as agências e restaurantes locais. A graça por lá está nas pessoas que se hospedam na região, nas deliciosas pousadas em meio à natureza e nas maravilhosas atrações da Chapada Diamantina que têm o Vale do Capão como base de partida.

Vila do Vale do Capão

Um pouco de História

Vila do Vale do Capão
Foto: Rafael Lage

Das margens do Riacho da Serra Negra até o Rio Preto das Lavrinhas encontrava-se o povoado de Capão Grande, “Mata Virgem”, um lugar importante da Chapada na época diamantífera.

O local passou pelos diversos ciclos econômicos que conheceu a região, chegando ao século XX com a extração mineral enfraquecida e com a produção cafeeira bastante importante até os anos 50.

Em 1952, foi descoberta nesta área a cachoeira da Fumaça, segunda maior do Brasil, 340 metros, e hoje alto ponto turístico da Chapada Diamantina. Frente à potencialidade do local, por iniciativa do prefeito de Palmeiras foi criado o distrito de Caeté-Açu em 1953.

Até hoje, os moradores chamam este lugar, antigo Capão Grande, de Capão ou Vale do Capão.

Pouco tempo depois da sua criação, a economia da região enfrentou uma nova crise e os seus impactos foram marcantes neste povoado: êxodo para grandes cidades como São Paulo causaram o esvaziamento da região. Como na Chapada Diamantina, a situação dos habitantes do Vale do Capão na segunda metade do século XX melhorou significativamente a partir dos anos 80: eles acharam um novo rumo econômico, o turismo e o neo-ruralismo transformaram os seus modos de vida.

Hoje, o Vale do Capão é claramente um lugar turístico, com suas atrações, infraestruturas e atores, trabalhando na atividade ou em mobilidade de lazer além de um território neo-ruralista com suas atividades culturais, sua culinária ou a variedade das suas propostas educativas e espirituais caracterizados pela busca de uma alternativa à vida citadina.

Fonte: Yann Pellisier – O Paradoxo do Turismo no Vale do Capão

Um Vale que Cura

O Vale do Capão, além de um santuário ecológico de belezas naturais, tem se tornado uma referência no que diz respeito à terapias holísticas e alternativas. Massagens thai, ayurvedicas, reiki, yoga, constelação familiar entre outras técnicas estão disponíveis para quem procura alternativas para manter em equilíbrio corpo e alma.

Terapias Alternativas no Vale do Capão
Riachinho Vale do Capão
Foto: Rafael Lage

Belezas Naturais

As belezas naturais do povoado do Vale do Capão, situado nas fronteiras do Parque Nacional da Chapada Diamantina são cachoeiras exuberantes como a Cachoeira da Fumaça, a mais alta do Brasil, Cachoeira do Riachinho, Purificação, Rio Preto, Angélicas e etc, cannyons e trilhas mais longas do circuito dos Diamantes, de alguns dias, como o Vale do Pati, Fumaça por Baixo, 21 onde se pode contemplar as belezas da fauna e flora local.