sábado, 17 fevereiro, 2024

Esse ano não vai ter Cariru!

InícioVozes do ValeEsse ano não vai ter Cariru!

Esse ano não vai ter Cariru!

Mês de setembro sempre foi aguardado aqui no Vale do Capão, aliás, acho que em toda Bahia. Setembro é mês de Cosme Damião ou dos Ibejis, e como manda a tradição, Carurus são ofertados aos familiares, amigos e vizinhos. Não conheço a fundo a origem destes festejos, que para cada tradição, católica, candomblé ou umbanda, é perpassada por diferentes simbolismos e significados. Mas o fato é que essa é uma festa da fartura, da oferta de alimentos e da brincadeira.

Aqui no Vale do Capão uma dezena de famílias oferece o Cariru. Sim, aqui não é caruru, é cariru mesmo, podendo ser também Cariru de doce, que é quando as rezas são acompanhadas apenas de doces ofertados àqueles que chegam. Durante alguns dias, famílias oferecem no horário do almoço um verdadeiro banquete. A comunidade inteira participa, desde os mais chegados que se envolvem no preparo das comidas e nas rezas, até os moradores e turistas de passagem pelo Vale. Os primeiros a serem servidos são os 7 meninos, que sentados no chão ouvem as rezas e cantigas dos santos Cosme e Damião. Em algumas casas, o ritual é conduzido pelos toques do tambor, heranças da matriz africana já bastante fragilizadas pelas bandas de cá.

Outra especificidade do Cariru de cá é que ele não leva as comidas a base de dendê nem quiabo como o caruru tradicional da culinária de matriz africana. O Cariru é composto pelos alimentos do cotidiano. Arroz, feijão, verduras, carne, frango, macarrão, que nesta data são feitos em grande quantidade. Sobre esse assunto, já ouvi algumas pessoas dizerem que a ausência do dendê no Cariru é um traço do processo de embranquecimento pelo qual esses rituais passaram ao longo dos anos, notadamente no interior, onde as tradições e práticas de origem africana foram ainda mais desvalorizadas e apagadas. Para entender um pouco melhor esse costume fui conversar com Dona Lurdinha, nativa do Vale do Capão que há 40 anos faz o cariru de Cosme e Damião.

Dona Lurdinha contou que antes de “fazer o Cosme” na casa dela ela ajudava outras senhoras que já faziam o festejo. Teria sido dona Chiquinha, esposa de Rufino Rocha, uma das primeiras a reverenciar os santos aqui na comunidade. Quando teve gêmeos, dona Lurdinha começou a fazer o Cosme, como chamam por aqui, mas só depois de 3 anos, que é como manda a tradição. Ela me contou também que o Cariru nunca levou dendê, mas que de um tempo pra cá, com a chegada de muitas pessoas de Salvador, algumas pessoas começaram a acrescentar ao cardápio o caruru e o vatapá, mas que esses ingredientes estão longe de serem os grandes protagonistas do banquete. Por falar na comida, acho que é importante contar que são dias de preparo, aliás, para dona Lurdinha o preparo começa meses antes, quando ela semeia boa parte das verduras que vão compor o almoço ofertado.

Cosme e Damião é um dos festejos mais importantes da comunidade, aguardado ansiosamente por muitos que vivenciam este ritual como uma forma de atualizar a tradição, reafirmar sua fé, reforçar os laços comunitários ou simplesmente ter um dia livre da tarefa de cozinhar e encontrar os amigos! Nos dias de festejo, os restaurantes não abrem e filas se formam nas portas das casas que “fazem o Cosme”. Depois do almoço tem a distribuição dos doces. Pacotes de balas, chicletes, jujubas e pirulitos são jogados no ar e adultos e crianças disputam os doces numa brincadeira gostosa. À tardinha tem a reza, momento mais sagrado do ritual, momento em que as mulheres se reúnem em torno dos santos e entoam as cantigas e orações ensinadas de geração em geração.

Cosme e Damião é aglomeração. Dona Lurdinha conta que a cada ano aumenta a quantidade de pratos servidos, no último ano foram mais de 100. Com a questão da pandemia fui perguntar para Dona Lurdinha como ficaria o Cosme esse ano. Ela me contou com muita tranquilidade e sabedoria que não vai fazer o almoço ofertado à comunidade: “Vou montar o altar, acender a vela e fazer as rezas para os santos, eles vão entender que esse ano está diferente e não é culpa de ninguém, o que não podemos é colocar a vida das pessoas em risco”. Ao contrário de mim, que estava sentida por não termos essa festa tão bonita esse ano, dona Lurdinha acrescentou: “A gente tem que aceitar as coisas com tranquilidade, essa é a nossa realidade agora, quando melhorar essa situação a gente faz, os santos vão entender”.

Acho bonita essa forma de encarar as coisas da vida. Essa sabedoria de entender que tudo tem sua hora e seu lugar. Com dona Lurdinha não tem ansiedade e frustração, pelo menos não com relação ao Cosme. Ela também não está tentando adequar o ritual a um possível “novo normal” distribuindo a comida em quentinhas, por exemplo. O importante do ritual é a devoção aos santos e isso está garantido com o altar, as velas e as rezas no dia 27 de setembro.

Este ano não vai ter Cariru no Capão, que ainda está fechado para visitação, pois para a comunidade é mais importante preservar a população local do que realizar seus festejos tradicionais, mas a devoção aos santos gêmeos permanece em cada altar e vela acesa.

Melissa Zonzon
Melissa Zonzon
Formada em Antropologia, mestre em Gestão Social pela faculdade de Administração-UFBA. Frequentadora do Vale do Capão desde 1992. Residente desde 2012. Trabalha com gestão de projetos culturais e socioambientais no Território da Chapada Diamantina desde 2012. Fundadora da associação Colmeia, sócia diretora da Araçá Cultura e Meio Ambiente.
- anúncio patrocinado -

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seu comentário:
Nome

- anúncio patrocinado -
- anúncio -
Bistrô na Pousada do Capão
Anuncie nas nossas redes sociais
Cozinha Criativa
Restaurante Candeia

Mais da Coluna

São João no Capão

O Vale do Capão sempre foi conhecido por suas belezas naturais e seu povo acolhedor. A comunidade sempre foi destino certo para quem quer fugir da cidade e encontrar um lugar de tranquilidade e conexão com a natureza

O Misterioso Sumiço dos Jiraus do Vale do Capão!

Se você não mora no Capão talvez eu precise explicar o que é jirau. Trata-se de estruturas de madeira, ou em alguns casos de alvenaria, onde o lixo é armazenado a uma certa altura do chão, enquanto não é recolhido pelo caminhão da prefeitura para levá-lo ao seu destino final, o lixão de Palmeiras.

O que seria do Vale do Capão sem os movimentos coletivos?

O que seria daqui sem as atividades artísticas? Onde você levaria seu filho(a) se não tivesse o Circo, as escolas infantis? O que os hóspedes da sua pousada fariam no sábado à noite na vila se não tivessem os artistas de rua e músicos?

Veja Também

Reunião – Festival CAPÃO IN BLUES

A produção do Festival "CAPÃO IN BLUES" convoca a comunidade para apresentar o projeto que terá sua primeira edição este ano. Vai acontecer o Festival CAPÃO IN BLUES! No dia 05/02, próxima segunda-feira às 19h no salão do Posto de saúde, apareça.

5ª Reunião do COMTUR no Vale do Capão

A Villaflor Pousada no Capão, sediou no dia 30 de janeiro 5ª a Reunião do Conselho de Turismo COMTUR estendida a membros do Plano Diretor Orientado ao Turismo (PDOTur) e Prestadores de Serviços Turísticos de município.
- anúncio -
- anúncio -
Morro Branco_banner
Um lugar para estar...
Morro Branco_banner
Um lugar para amar...
Morro Branco_banner
Um lugar para acreditar...

- em destaque -